• Bianca

O espetáculo “Qualquer gato vira-lata tem uma vida sexual mais sadia que a nossa” trás no elenco Mon


(Foto: Walquiria / Foco das Notícias)


Quinze anos após ser encenado pela primeira vez, o espetáculo “Qualquer gato vira-lata tem uma vida sexual mais sadia que a nossa” estreou em 2013 em nova montagem, com uma temporada de sucesso no Rio de Janeiro. Dirigida por Rafaela Amado e direção Geral de Bibi Ferreira com Monique Alfradique, Marcos Nauer e Emiliano D’Avila no elenco, a peça chega a São Paulo em outubro.


“Qualquer gato” retrata a vida de três jovens que vivem as dificuldades de uma experiência amorosa. Depois de estudar o tema, o autor procura as respostas de suas dúvidas na psicologia evolucionista, baseando-se na teoria de Darwin. Decepcionada, após romper com seu quase namorado, Marcelo (Emiliano), Tati (Alfradique) se refugia no auditório da faculdade para chorar, sem se dar conta de que está no meio de uma palestra do professor de Biologia Conrado (Nauer) sobre o evolucionismo de Darwin.


Para o espanto da moça, o jovem cientista elucida o porquê das desventuras amorosas das pessoas e afirma que as leis da natureza estão sendo infringidas. Extasiada com a revelação, Tati convence o professor de que ela é sua tese e recorre a sua ajuda na reconquista de Marcelo. Relutante a princípio, Conrado aceita a proposta e passa a analisar os erros que ela comete e sugere soluções.


A ideia desta comédia surgiu das observações do comportamento afetivo dos jovens, que hoje em dia vivem relacionamentos cheios de conflitos e desencontros. Segundo Juca de Oliveira, “as mulheres deixaram de ser a caça para se tornarem caçadoras” e este fato seria a causa principal das desilusões femininas. Com humor e originalidade, a peça funciona como um guia prático para um relacionamento perfeito indicado não só para os jovens, mas também para os adultos.


(Foto: Walquiria / Foco das Notícias)


Em entrevista para a nossa equipe o ator Emiliano D'Avilla revelou que ele está fazendo uma típico "cafajeste" que tem várias mulheres, e por fim das contas não se dedica a nenhuma, pois quer todas ! O ator ainda completou que o personagem do Marcos, o professor, era feito por outro ator, e o Marcos quem fazia o Marcelo, por conta disto ele entrou no espetáculo para substituir o Marcos que teve que fazer o Conrado !


Emiliano revelou a nossa equipe que não precisou de laboratório para fazer o Marcelo, pois já era um personagem muito próximo do que ele já realizava, é um personagem muito dentro do que ele tem em personagens já feitos em sua carreira, o que ele necessitou mesmo foi de pesquisa dentro do próprio texto, em entender o texto por completo e suas entrelinhas também!


Para quem gostaria de saber sobre os seus projetos para tv Emiliano ainda não pode nos revelar, mais disse que novidades à vista ! Muitos projetos e planos para 2017 !


Marcos Nauer já fez os dois lados da moeda, o "cafajeste" Marcelo e o "concelheiro" Conrado, e ele nos revelou que o que basta para fazer esta mudança de personagens é entender o texto, entender o que tem que ser passado mais se adaptar ao seu jeito, e sua maneira de contar a história !


Marcos revelou que tem noção que esta temporada em São Paulo foi muito curta, mais o espetáculo tem muito fôlego para viajar e talvez até continuar em 2017 na capital paulista, mas eles pretendem ir para cidades onde o pessoal tem pedido muito como o nordeste do Brasil.


Emiliano faz o convite à todos para virem se divertir, se identificarem e se envolverem na história de Conrado, Marcelo e Tati, todas as sextas, sábados e domingos no teatro gazeta.

Serviço:

Últimas semanas

Local: Teatro Gazeta

Endereço: Av. Paulista, 900

Horários: Sexta às 20h, Sábado às 22h; domingo às 20h.

Valores: R$ R$ 70,00 sexta | R$80 sábado | R$ 70,00 domingo.

Ingressos: Bilheteria | Site do teatro

Funcionamento da bilheteria: terça-feira à domingo, das 14:00 até o início do último espetáculo.

Recomendação: 14 anos

Duração: 90 min.

Informações: (11) 3253.4102