• Bianca

Com várias indicações a prêmios Urinal, O Musical reestréia em São Paulo lotando os teatros e tocand


(Foto: Ronaldo Gutierrez)


A montagem que reúne 16 atores e 5 músicos no elenco recebeu 21 indicações a prêmios: indicação ao prêmio APCA de direção para Zé Henrique de Paula; 3 indicações ao prêmio Shell (direção, ator e figurino), 8 indicações ao prêmio Bibi Ferreira (direção, direção musical, versões, ator coadjuvante, atriz coadjuvante, figurino, atriz e musical), 5 indicações ao prêmio Aplauso Brasil (direção, iluminação, ator coadjuvante, atriz coadjuvante e musical) e 4 indicações ao Prêmio Arte Qualidade Brasil (espetáculo, ator, atriz e direção). Montagem original chamada Urinetown, Cidade da Urinaestreou em Nova York, em 2001, e foi vencedora de três prêmios Tony.


Em Urinal, O Musical uma seca de vinte anos (época conhecida como os Anos Fedidos) causou uma terrível falta de água, fazendo com que banheiros particulares deixassem de existir. Toda a atividade sanitária da população é realizada em banheiros públicos controlados por uma megacorporação chamada Companhia da Boa Urina, comandada pelo ardiloso Patrãozinho. Para controlar o consumo de água, as pessoas devem pagar para usar essas dependências.


Há leis severas garantindo que o povo pague para fazer xixi, e se elas forem quebradas, o culpado é enviado para uma suposta colônia penal chamada “Urinal”, de onde os criminosos jamais retornam. Tudo caminha bem, até que o jovem Bonitão, incitado pela bela e radiante Luz, aprende a ouvir seu coração e inicia uma revolta popular que pode mudar o destino de todos.


Em conversa com os atores falamos sobre as novidades sobre as diferenças entre o musical estrangeiro e este feito aqui no Brasil, essa segunda temporada realizada em São Paulo e muito mais …

“O legal quando você assiste um musical da Broadway é quando não é igual ao da Broadway, temos que dar o nosso toque pessoal, temos que dar a brasilidade ao que é nosso, o nosso musical é feito inteiramente por brasileiros, com tipo físicos diferentes, com vozes de timbres diferentes, um figurino é pensado por um figurinista brasileiro e não uma cópia do que é feito no exterior, um cenário pensado por cenógrafo brasileiro, portanto vamos adequando o Urinal á uma linguagem brasileira.”, comenta Gerson.


“Fazer esta segunda temporada está incrível, tranferir do núcleo que eram com 60 lugares para cá que temos 484, é muito bom, ficamos com a expectativa como vamos lotar esse espaço todo, como vai ser isso! Mais está indo super bem ! O trabalho que temos aqui com o som que não tinhamos essa captação do som de ambiente, ajuda sem perder a essência do expetáculo e toda a forma de como ele foi concebido ! Estar aqui foi um surpresa super positiva !”, revela Nábia Vilella


“Tive muito dificuldade em entrar para este universo, depois de 33 anos de carreira se propor á fazer algo novo no qual eu nunca tinha feito, acho que essa é a graça do ator, fazer coisas que te instigam e te provocam, e fazem renovar o seu trabalho, mas está sendo maravilhoso!”, completa Roney Facchini.


(Foto: Ronaldo Gutierrez)

Em sua primeira temporada devido a substituição o ator Rodrigo Lombardi fez por um período o espetáculo juntamente com o elenco e questionamos como foi tal presença, “Quem etreiou o personagem do policial foi o Daniel Costa, depois foi o Zé Henrique ( também director do espetáculo), mas ter o Rodrigo foi uma grande surpresa, pois conhecia ele somente da televisão, muito companheiro, parceiro e preocupado com os parceiros em cena ! Ele também estava preocupado com a engenharia do espetáculo, como tudo funciona, ele se preocupou em agregar no espetáculo !”, comentou a atriz.


Sobre o seu personagem Gerson comenta que é um personagem pequeno, mas é um personagem importante ! Ele vivência um senador da república, mas um senador corrupto que aparece algumas vezes no espetáculo mais sempre envolvido em tramas, dinheiro, negociações e afins … Muito mundo ! “Foi muito legal fazer este personagem, não é um personagem carismático, e nem que as pessoas gostem, mas para mim foi um exercício muito bom para experimentar uma vilania, e um jeito sínico de fazer as coisas, é um personagem pequeno mas maravilhoso!”, completa o ator.


Roney nos contou um pouco sobre o seu personagem que é bem o vilão da história, se pudéssemos dividir entre o bem e o mal ele é a personificação do mal no espetáculo ! Ele comenta que é um personagem que não pode se fazer se não tiver uma grande dramaturgia, não se pode fazer sinceramente tem ser claramente como Brest mandou, tem que ser mostrado da pior maneira possível, pois isso faz com que o público reaja e faz com que você se sinta fazendo este “bem” … Ele é capaz de tudo, por causa de dinheiro ele faz qualquer coisa, o negócio dele é se manter em cima do topo com negociações !

Roney ainda completa que o teatro é como novela, o pessoal olha meio estranho para ele quando sai do palco, o público não consegue ter este distanciamento! Tem um se identificar ou não com os personagens e no caso dele ocasiona um afastamento por conta de ser o vilão que cativa para “dominar”!


O ator Gerson Steves faz o convite á todos que ainda não puderam assistir ao espetáculo “ Quem viu na temporada anterior viu em um teatro intimista com 60 lugares, aqui não, é um teatro com 484 lugares estamos em um palco com umas três vezes o tamanho que tínhamos lá, então, quem viu lá venha ver aqui para ver que está outra coisa ! E quem não viu, venha ver porque a gente cresceu e continua o mesmo espetáculo provocativo, critic e atual !”.

Serviço:

Teatro Porto Seguro

Endereço: Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo.

Informações: (11) 3226.7300

Ingressos: R$ 80,00 plateia / R$ 50,00 balcão e frisas

Temporada: De 17 de fevereiro a 21 de abril

Horários: Quartas e quintas, às 21h.

Duração: 135 minutos (15 min de intervalo)

Classificação: 10 anos

Ingressos: Bilheteria do Teatro | www.ingressorapido.com.br